Boletim “Tá ligado?”

Para visualizar os boletins, clique no link correspondente ao número da publicação.

Boletim Tá Ligado? #09

Veja o Boletim

Para conferir ser você já Tá ligado no ritmo de nossas Jornadas deste ano, este número de nosso boletim preparou algumas surpresas especiais. Prosseguindo com as crônicas de Daniel Roy, “Vamos lá, crianças!” discute, a partir de uma cena ocorrida em uma atendimento, o quanto algumas experiências não são “consertáveis” e o que um analista pode fazer com isto. Na seção Ibook, Blanca Musachi traz um comentário sobre um acontecimento cada dia mais frequente: as crianças YouTubers; e Maria Helena Barbosa nos apresenta as questões candentes de um interessantíssimo texto de J.-A. Miller: “A criança entre a mulher e a mãe”. Ainda neste número trago-lhes  uma resenha que apresenta, a partir de três textos de Jorge Forbes, uma discussão acerca de algo que se mostra em algumas gírias usadas pelos jovens na atualidade. E para coroar esta edição, um pouco de literatura: Cláudia Aldigueri  apresenta o livro de Wedekind: O despertar da primavera. Imperdível!

Teresinha N. M. Prado

Boletim Tá Ligado? Extra 01 

Veja o Boletim

Boletim Tá Ligado? #08

Veja o Boletim

Este número de Tá ligado? preparou algumas novidades imperdíveis. Leia, na íntegra, o texto da atividade preparatória para as nossas Jornadas e para o XXI EBCF realizada na Seção SP em 07 de junho, com Luiz Fernando Carrijo da Cunha: “Modificações no vivo do corpo”. Uma conversa informal com Daniel Roy sobre a adolescência deu origem ao texto produzido por Maria do Carmo Dias Batista. Ainda de Daniel Roy, uma crônica sobre um uso muito particular do videogame. E para concluir esta edição, trechos da intervenção de Freud sobre O despertar da primavera.

Teresinha N. M. Prado

Boletim Tá Ligado? #07

Veja o Boletim

Com mais algumas contribuições da comissão científica de nossas Jornadas, este número de Tá ligado? traz resenhas e textos que giram em torno de questões que serão abordadas pelos trabalhos apresentados nos eixos propostos (e cujo prazo de entrega, é sempre bom lembrar, termina segunda-feira, dia 20 de junho), dentre elas: violência, errância, impasses e arranjos. Na mesma linha seguem as resenhas aqui apresentadas, sobre fuga e errância na adolescência, a partir de Lacadée, e passagens ao ato e soluções na trama do filme de Emmanuelle Bercot, permitem discutir o que está em jogo para um sujeito neste momento de sua existência. Aproveitem!

Teresinha N. M. Prado

Boletim Tá Ligado? #06

Veja o Boletim

Editorial:

Caro leitor,

Este número de Tá ligado? traz a contribuição de três colegas da comissão científica ao tema de nossas Jornadas, abordando-o sob aspectos distintos: a sexualidade, a a formação da imagem e a errância.

Na rubrica “Ibooks” uma resenha sobre “Nota sobre a criança”, de Lacan, referência imprescindível.

Ainda neste número, você poderá conferir o comentário sobre um filme autobiográfico que coloca várias questões sobre a sexuação na infância e na adolescência.

E para quem virá de outra cidade e ainda não decidiu onde se hospedar durante o evento, vale a pena conferir o destaque com informações sobre hospedagem e outras dicas!

Teresinha N. M. Prado

Boletim Tá Ligado? #05

Veja o Boletim

Editorial:

Caros leitores, este número de nosso “Tá ligado?” segue apresentando resenhas e referências para esquentar os motores daqueles que enviarão trabalho para nossas Jornadas. Na seção I-books os interessados poderão conferir a indicação de vários textos de autores do Campo Freudiano que tocam o tema que discutiremos em agosto próximo. Este número traz ainda três resenhas, todas de textos disponíveis online, uma que apresenta “Uma nova perspectiva para a criança”, de Daniel Roy, disponível online em francês; outra sobre o artigo de Bernard Seynhaeve “A adolescência no século do objeto”, este igualmente online em francês; e ainda uma resenha sobre “A iniciação sexual na adolescência: entre mito e estrutura”, de Domenico Cosenza, este disponível em português.

Importante lembrar que o prazo para envio de textos é, impreterivelmente, dia 20 de junho. Há pouco mais de um mês para trabalhar nisto, portanto, boa leitura e… bom trabalho!

Teresinha N. Meirelles do Prado.

Boletim Tá Ligado? #04

Veja o Boletim

Editorial:

Recém-chegados da intensa semana de trabalhos e intercâmbios no X Congresso da AMP, estamos de volta ao nosso boletim, Tá ligado? Este número traz a tradução da transcrição de uma fala de Daniel Roy em Rádio Lacan, sobre o que está em jogo no contoChapeuzinho vermelho. Dentre as resenhas, vocês poderão ler as reflexões motivadas pela articulação entre os comentários de casos por Daniel Roy e seu belo trabalho com crianças búlgaras e acerca do comentário de Jacques-Alain Miller sobre “Interpretar a criança”. Ainda na série das referências de leitura sobre o tema das nossas Jornadas, disponibilizamos um levantamento bibliográfico de Eric Laurent. Excelente leitura a todos!

Teresinha N. Meirelles do Prado.

Boletim Tá Ligado? #03 

Veja o Boletim

Editorial:

Aí sim!

Este número de nosso Boletim é dedicado especialmente às coordenadas epistêmicas de nossas Jornadas. O leitor encontrará aqui o argumento, cuidadosamente elaborado pela Comissão Científica, bem como os eixos temáticos que abrigarão os trabalhos que serão apresentados, as informações sobre o envio de textos, prazos, condições etc. Também divulgamos aqui algumas referências sobre infância e adolescência em Freud, Lacan e Miller. Ainda neste número, você poderá ler uma resenha sobre o texto de Jacques-Alain Miller: “Em direção à adolescência”.

Esperamos que a leitura instigue a produção de muitos textos para enriquecer nosso debate em agosto próximo!

Teresinha N. Meirelles do Prado.

Boletim Tá Ligado? #02

Veja o Boletim

Editorial:

Neste número de nosso boletim, trazemos mais algumas informações sobre nosso convidado. A resenha sobre o texto “O supereu contemporâneo” destaca a passagem do supereu em Freud, herdeiro do complexo de Édipo ao supereu em Lacan e os traços da contemporaneidade: uma fusão entre as identificações e o mais-de-gozar, destacando as possíveis saídas propostas. A resenha sobre o texto “Proteção da adolescência” destaca o percurso desenvolvido pelo autor em relação à diferenciação de gêneros, do que era uma distinção significante sob a garantia paterna, à dificuldade atual de cernir a diferença, e a proteção da adolescência como forma de permitir cada um desses sujeitos, em face da ausência de garantias, construir uma saída singular para seus impasses.

Na crônica “Vamos, crianças!”, publicada originalmente em Lacan Cotidiano e disponível em francês no site do LQ, Daniel Roy aborda o que os textos acima mencionados trataram de modo teórico, desta vez encarnando a teoria na leitura dos impasses vividos por Dorian e as possibilidades, para ele, de encontrar uma saída.

Em seguida, listamos alguns textos de nosso convidado que abordam o tema de nossas Jornadas deste ano e, por fim, uma tirinha sobre a criança contemporânea fecha esta edição.

Boa leitura… Partiu?

Teresinha N. Meirelles do Prado.

Boletim Tá Ligado? #01

Veja o Boletim